Utilize este identificador para referenciar este registo: http://repositorio.ismt.pt/jspui/handle/123456789/1131
Título: Autoconsciência e Investimento Esquemático da Aparência em Indivíduos com Deficiência Visual
Outros títulos: Self-consciousness and Schematic Investment of Appearance in Individuals with Visual Impairment
Autores: Mendes, José Carlos da Silva
Alcaidinho, Durval
Alcaidinho, Maura
Palavras-chave: Autoconsciência da Aparência, Deficiência Visual, Investimento Esquemático da Aparência, Afeto Positivo, Afeto Negativo
Data: 28-fev-2019
Editora: Departamento de Investigação & Desenvolvimento
Citação: Mendes, J. C. da S., Alcaidinho, D., & Alcaidinho, M. (2019). Autoconsciência e investimento esquemático da aparência em indivíduos com deficiência visual. Revista Portuguesa De Investigação Comportamental E Social, 5(1), 1-13. https://doi.org/10.31211/rpics.2019.5.1.99
Relatório da Série N.º: 1;
Resumo: Objetivo: A Autoconsciência da Aparência tem sido alvo de recente investigação em vários contextos, sendo desconhecidos estudos realizados em indivíduos com deficiência visual. Propõe-se com este estudo, compreender a Autoconsciência da Aparência em pessoas com deficiência visual. Método: Participaram 104 indivíduos (43 com cegueira congénita, 19 com baixa visão congénita, 23 com cegueira adquirida e 19 com baixa visão adquirida) que responderam a um conjunto de questionários quer disponibilizados on-line, quer de forma presencial, tendo sido adicionada a opção de resposta "não se aplica" em todos os itens da versão reduzida da Derriford Appearance Scale (DAS-24) e Appearance Scale Inventory (ASI-R). Resultados: Todos os instrumentos utilizados apresentaram bons índices de consistência interna. Não se verificaram diferenças significativas no Investimento Esquemático e Autoconsciência da Aparência entre os tipos de deficiência visual. Os participantes com baixa visão congénita e baixa visão adquirida, apresentaram maior desconforto com a sua aparência, em comparação com os participantes com cegueira congénita e cegueira adquirida. O Afeto Negativo revelou-se preditor do investimento esquemático e autoconsciência da aparência. Conclusões: Preocupações da aparência em indivíduos com deficiência visual são generalizadas, ocorrendo internalização dos ideais do corpo também em sujeitos sem visão. O Afeto Negativo é um preditor do Investimento Esquemático e Autoconsciência da Aparência.
URI: http://repositorio.ismt.pt/jspui/handle/123456789/1131
ISSN: 2183-4938
Aparece nas colecções:Publicações Científicas Psicologia

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
99-Texto Artigo-1025-5-10-20190301.pdf290.44 kBAdobe PDFVer/Abrir


Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.