Utilize este identificador para referenciar este registo: http://repositorio.ismt.pt/jspui/handle/123456789/1239
Título: Variáveis Relacionadas com a Esclerose Múltipla e Processos de Regulação Emocional Predizem Conjuntamente Sintomas Psicopatológicos de Stresse em Doentes com a Referida Patologia? Um modelo exploratório
Autores: Mendes, Andreia Alexandra de Sousa Gomes
Carvalho, Teresa (Orientadora)
Palavras-chave: Esclerose múltipla - Multiple sclerosis
Fatores preditores do stresse - Stress predictors
Número de surtos - Number of relapses
Fadiga - Fatigue
Incapacidade física - Physical disability
Processos de regulação emocional - Emotional regulation processes
Data: 2020
Editora: ISMT
Resumo: Introdução: A Esclerose Múltipla (EM) é uma doença neurológica crónica, progressiva e potencialmente incapacitante. Surge, tendencialmente, em adultos jovens. As suas características potenciam estados de stresse e estes facilitam a progressão da doença. Porém, é escasso o conhecimento sobre os fatores preditores de stresse em doentes com EM. Objetivos: Explorar um novo modelo preditivo dos sintomas psicopatológicos de stresse em doentes com EM, composto pelos seguintes preditores: número de surtos, fadiga, incapacidade física (variáveis relacionadas com o diagnóstico de EM), evitamento experiencial e autojulgamento (processos de regulação emocional disfuncionais). Método: Participaram neste estudo transversal 101 doentes com o diagnóstico de EM e 134 indivíduos da população geral Portuguesa sem o referido diagnóstico ambos os grupos sem outras doenças neurológicas. Os participantes responderam aos seguintes instrumentos de autoresposta: um questionário sociodemográfico e clínico, Subescala de Stresse da Depression, Anxiety and Stress Scale-21 (DASS-21), Escala Analógica da Fadiga, World Health Organization Disability Assessment Schedule-12, Acceptance and Action Questionnaire – II (AAQ-II) e subescala de Autojulgamento da Self-Compassion Scale (SCS). Resultados: O grupo clínico com EM diferenciou-se do grupo da população geral sem EM em relação aos preditores dos sintomas de stresse hipotetizados (fadiga, incapacidade física, evitamento experiencial e autojulgamento) e exibiu correlações significativas entre os sintomas de stresse e as referidas variáveis, a escolaridade e o número de surtos. Regressões lineares simples mostraram que a totalidade destes potenciais preditores predisseram a sintomatologia de stresse no referido grupo, tendo, face aos resultados anteriores, integrado o modelo de regressão linear múltipla. Este modelo explicou 51,8% da variância dos sintomas psicopatológicos de stresse e identificou como preditores significativos a escolaridade, números de surtos, fadiga e o evitamento experiencial. Discussão: Os resultados revelaram-se inovadores para a clínica e investigação científica ao identificarem quer o efeito preditivo conjunto de variáveis relacionadas com a EM e de processos de regulação emocional, quer o número de surtos e a escolaridade como preditores de sintomas de stresse. Programas destinados a promover a saúde mental na população-alvo, devem desenvolver competências funcionais para lidar com o stresse decorrente da escolaridade (possivelmente responsável pelo grau de literacia e de consciência sobre a EM), da repetição de surtos e da fadiga e devem flexibilizar estratégias de regulação emocional focadas no evitamento experiencial. Competências de aceitação e de mindfulness permitirão reduzir o stresse e respetivo impacto na exacerbação/progressão da doença. / Introduction: Multiple sclerosis (MS) is a neurologic chronic disease, with a progressive and potentially disabling course. It tends to appear in young adults. Its characteristics promotes stress states and these facilitate the progression of the disease. However, knowledge about the predictors of stress in MS patients is scarce. Objectives: To explore a new predictive model of psychopathological symptoms of stress in patients with MS, composed of the following predictors: number of relapses, fatigue, physical disability (variables related to the diagnosis of MS), experiential avoidance and self-judgment (dysfunctional emotion regulation processes). Method: This cross-sectional study comprised of 101 patients diagnosed with MS and 134 individuals from the general Portuguese population without MS, both groups without other neurological diseases. Participants completed the following self-report instruments: a sociodemographic and clinical questionnaire, Stress subscale of Depression, Anxiety and Stress Scale-21, Analogic Fatigue Scale, World Health Organization Disability Assessment Schedule-12, Acceptance and Action Questionnaire - II and Self-Judgment subscale of Self Compassion Scale. Results: The clinical group with MS differed from the general population group without MS in relation to the hypothesized predictors of stress symptoms (fatigue, physical disability, experiential avoidance and self-judgment) and exhibited significant correlations between stress symptoms and the abovementioned variables, the years of education and the number of relapses. Simple linear regressions showed that all of these potential predictors predicted the symptoms of stress in clinical group with MS, having, integrated the multiple linear regression model. This model explained 51.8% of the variance of psychopathological symptoms of stress and identified years of education, number of relapses, fatigue and experiential avoidance as significant predictors. Discussion: The results are innovative for clinical and scientific research by identifying the joint predictive effect of variables related to MS and emotional regulation processes, as well as for having reported number of relapses and years of education as predictors of symptoms of stress. Interventions designed to promote mental health in the target population, should develop functional skills to deal with the stress arising from years of education (possibly responsible for the level of literacy and awareness about MS), the recurrence of relapses and fatigue and should be embrace emotional regulation strategies focused on experiential avoidance. Acceptance and mindfulness skills will allow the reduction of stress and its impact on the exacerbation / progression of the disease.
URI: http://repositorio.ismt.pt/jspui/handle/123456789/1239
Aparece nas colecções:Dissertações de Mestrado Psicologia

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
AndreiaMendes_Dissertação.pdfDocumento463.5 kBAdobe PDFVer/Abrir


Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.