Utilize este identificador para referenciar este registo: http://repositorio.ismt.pt/jspui/handle/123456789/1179
Título: Disaggregation of Gendered Differences in Retirement Planning in Urban Ghana
Outros títulos: Desagregação das Diferenças de Género no Planeamento da Reforma no Gana Urbano
Autores: Davie, Delali Adjoa
Palavras-chave: Género, Planeamento da reforma, Longevidade, Planos de reforma das mulheres
Data: 30-jun-2020
Editora: ISMT
Citação: Dovie, D. 2020. Desagregação das Diferenças de Género no Planeamento da Reforma no Gana Urbano. Interações: Sociedade e as novas modernidades. 38 (Jun. 2020), 43-77. DOI:https://doi.org/10.31211/interacoes.n38.2020.a2.
Relatório da Série N.º: 3;
Resumo: Este artigo investiga as diferenças no planeamento da reforma em função do género entre os trabalhadores do sector formal e informal. Método: Foram utilizados conjuntos de dados quantitativos e qualitativos. A amostra [n=442] foi selecionada utilizando uma técnica de amostragem em várias fases. As análises mostram que a maioria dos trabalhadores (45.4%) considerou que os preparativos para a reforma das mulheres estão ligados aos dos homens, em especial as casadas e as domésticas, por razões relacionadas com o facto de os homens serem chefes de família. Isto inclui desejo das mulheres de estarem e/ou viverem mais próximas dos seus parceiros.Embora os preparativos para a reforma das mulheres possam estar ligados aos dos homens, estes planeiam muitas vezes com o apoio dos seus cônjuges. Existe uma certa independência entre homens e mulheres em matéria de planeamento da reforma e diferentes níveis de responsabilidades societais. Trata-se de duas pessoas independentes com responsabilidades, preferências, necessidades e razões diferentes. Contudo, as mulheres têm menos probabilidades do que os homens de planear ativamente a reforma. Isto é inibido pelos fluxos de baixos rendimentos das mulheres, em comparação com os seus homólogos masculinos. No entanto, as mulheres precisam de instituir mais planos do que os homens porque, na maioria das vezes, as mulheres não têm segurança social e vivem relativamente mais tempo. Significativamente, as razões que levam as mulheres a planear são diferentes daquelas que motivam os homens. Isto reforça a importância de considerar o género, quando se procura compreender as variáveis que predizem as tendências de planeamento da reforma. Tal garantiria, em particular, uma segurança financeira bem sucedida.
URI: http://repositorio.ismt.pt/jspui/handle/123456789/1179
ISSN: 2184-2929
Aparece nas colecções:Publicações Científicas em Sociologia

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
document.pdf626.82 kBAdobe PDFVer/Abrir


Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.