Utilize este identificador para referenciar este registo: http://repositorio.ismt.pt/jspui/handle/123456789/1256
Registo completo
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.authorFerreira, Luís André Abreu Paraíso-
dc.contributor.authorEspírito-Santo, Helena (Orientadora)-
dc.date.accessioned2021-05-11T14:07:11Z-
dc.date.available2021-05-11T14:07:11Z-
dc.date.issued2020-
dc.identifier.urihttp://repositorio.ismt.pt/jspui/handle/123456789/1256-
dc.description.abstractObjetivo: O crescente envelhecimento da população e a sua consequente institucionalização pede por um maior investimento da comunidade científica nesta faixa etária. Ao se ter uma melhor compreensão dos fatores decorrentes da institucionalização, espera-se mitigar o dano potencialmente causado ao próprio ou ao outro nestes contextos. Deste modo, propusemo-nos a analisar o impacto da impulsividade e da alexitimia na agressividade em idosos institucionalizados. Para este efeito, examinaram-se as relações entre agressividade, alexitimia e impulsividade e comparou-se um grupo de controlo de idosos da comunidade com um grupo de idosos institucionalizados. Método: Foram avaliados com recurso ao BPAQ-SF (Buss-Perry Aggression Questionnaire – Short Form), TAS-20 (Twenty-Item Toronto Alexithymia Scale) e BIS-15 (Barratt’s Impulsiveness Scale-15 items) trezentos e vinte e seis participantes [Idade: 60-96 anos (M ± DP = 75,12 ± 8,79); 63,2% mulheres], dos quais 117 estavam inseridos em estruturas de apoio social a idosos e 209 pertenciam à comunidade. Resultados: A agressividade autopercecionada não diferiu entre o grupo de idosos e de institucionalizados. Os níveis de alexitimia foram mais altos em idosos institucionalizados. Idosos residentes em áreas urbanas demonstraram maiores níveis de agressividade. No grupo de idosos institucionalizados, a agressividade, alexitimia e impulsividade correlacionaram-se e a alexitimia foi melhor preditor de agressividade do que a impulsividade. Conclusão: Este estudo complementa estudos anteriores abordando um grupo de idosos pouco estudado e ao demonstrar a influência da alexitimia e impulsividade na agressividade em idosos institucionalizados. Este estudo também sugere que intervenções com abordagem na alexitimia e impulsividade poderão mitigar a prevalência de eventuais incidentes agressivos em situações de institucionalização. / Objective: The ever-growing aging of the population and consequent institutionalization presses for greater investment by the scientific community in the older adult age group. Having a better understanding of the factors arising from institutionalization might allow us to mitigate some of the harm caused to the self or others in nursing home contexts. Thus, we set out to analyze the impact of impulsivity and alexithymia in institutionalized older adults' aggressiveness. To accomplish this, we examined the relationship between aggressiveness, alexithymia, and impulsiveness, and we also compared a control group of community older adults with a group of institutionalized older adults. Method: Three-hundred and twenty-six participants [Age: 60-96 years (M ± SD = 75.12 ± 8.79); 63.2% women], including 117 from long-term care homes and 209 from the community, were assessed through BPAQ-SF (Buss-Perry Aggression Questionnaire – Short Form), TAS- 20 (Twenty-Item Toronto Alexithymia Scale), and BIS-15 (Barratt's Impulsiveness Scale-15 items) Results: Reported aggression did not differ between institutionalized and community participants. Alexithymic levels were higher among institutionalized adults. Older residents of urban areas reported higher aggressiveness. In the institutionalized group, aggressiveness, alexithymia, and impulsiveness were correlated, and alexithymia predicted aggressiveness better than impulsiveness. Conclusion: This study complements previous studies by addressing a poorly studied group of older adults and demonstrating the impact of alexithymia and impulsivity in the institutionalized older adult's aggressiveness. This study also suggests that intervention strategies focused on alexithymia and impulsiveness might help mitigate the prevalence of eventual aggressive incidents in institutional settings.pt_PT
dc.language.isoporpt_PT
dc.publisherISMTpt_PT
dc.subjectInstitucionalização - Institutionalizationpt_PT
dc.subjectAgressividade - Aggressivnesspt_PT
dc.subjectAlexitimia - Alexithymiapt_PT
dc.subjectImpulsividade - Impulsivnesspt_PT
dc.titleA Impulsividade e a Alexitimia como Preditores da Agressividade na Idade Avançada: estudo numa amostra de idosos institucionalizadospt_PT
dc.typemasterThesispt_PT
dc.Orientadorpt_PT
dc.identifier.tid202540561pt_PT
Aparece nas colecções:Dissertações de Mestrado Psicologia

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
TESE_LuísParaíso.pdf
  Restricted Access
Documento730.2 kBAdobe PDFVer/Abrir Request a copy


Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.