-
Utilize este identificador para referenciar este registo: http://repositorio.ismt.pt/handle/123456789/204
Título: Serviço Social e Deficiência Mental: a perspectiva subjectiva da qualidade de vida
Autores: Santos, Maria Emília Ribeiro dos
Rodrigues, Fernanda (Orientadora)
Rodrigues, David (Coorientador)
Palavras-chave: Serviço Social, deficiência mental, diferença, direitos, qualidade de vida
Data: 2006
Editora: ISMT
Resumo: Explorar a qualidade de vida de jovens com deficiência mental permite abrir caminhos de reflexão em relação às políticas sociais, aos constrangimentos das instituições e à acção dos profissionais, nomeadamente dos Assistentes Sociais. O conceito de qualidade de vida adoptado abrange oito dimensões consideradas fundamentais: o bem-estar físico e emocional, as relações interpessoais, a inclusão social, o desenvolvimento pessoal, o bem- -estar material, a auto-determinação e os direitos. O objectivo do estudo consistiu em avaliar a qualidade de vida de jovens com deficiência mental ligeira, através da análise comparativa entre dois grupos: um vivendo em contexto familiar e outro em contexto institucional. O estudo é de natureza exploratória, sendo a amostra constituída por vinte e quatro jovens, com idades compreendidas entre os dezasseis e os vinte anos. A informação foi recolhida mediante uma entrevista estruturada, com base num questionário previamente testado. Independentemente do seu contexto de vida, estes jovens revelam uma boa percepção da sua condição física e do seu grau de autonomia e de felicidade. Estão satisfeitos com as pessoas com quem se relacionam em contexto de trabalho e atribuem níveis semelhantes de importância e satisfação relativamente ao seu salário. Os jovens que vivem em contexto familiar consideram que têm mais condições de privacidade e de conforto e que são mais independentes, confiam mais nas suas capacidades, consideram mais importante o direito à diferença, revelam-se mais críticos quanto ao local e às regras do trabalho e estão mais satisfeitos em todas as áreas previstas. Os jovens que vivem em contexto institucional têm uma percepção mais negativa das relações que estabelecem com pessoas próximas. Na globalidade, os jovens que vivem em contexto familiar têm uma percepção mais positiva da sua qualidade de vida do que os que vivem em contexto institucional. É evidente a necessidade de realização de outros estudos que permitam conhecer melhor esta realidade, pois só assim será possível encaminhar a acção dos Assistentes Sociais no sentido da construção de um futuro melhor para todos.
URI: http://repositorio.ismt.pt/handle/123456789/204
Aparece nas colecções:Dissertações de Mestrado em Serviço Social

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
MERSantos-Tese-Capa.pdfCapa29.29 kBAdobe PDFVer/Abrir
MERSantos-Tese-Ã ndice.pdfElementos pré-textuais131.87 kBAdobe PDFVer/Abrir
MERSantos-Tese-Texto.pdfDocumento principal1.08 MBAdobe PDFVer/Abrir
MERSantos-Tese-AnexoI-Questionário.pdfQuestionário230.85 kBAdobe PDFVer/Abrir


Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.