Utilize este identificador para referenciar este registo: http://repositorio.ismt.pt/jspui/handle/123456789/570
Título: Indicadores de Resiliência em Adolescentes Institucionalizados: o papel da vinculação aos pares, aos professores e aos funcionários da instituição
Autores: Inácio, Sandra Margarete de Carvalho
Farate, Carlos (Orientador)
Palavras-chave: Resiliência - Resilience
Vinculação aos pares - Peer attachment
Vinculação aos professores - Teacher attachment
Vinculação aos funcionários da instituição - Residential caregiver’s attachment
Adolescentes institucionalizados - Institutionalized adolescents
Data: 2015
Editora: ISMT
Resumo: Ser resiliente implica ser capaz de adaptar positivamente a contextos de grande adversidade. Esta capacidade depende de múltiplos fatores (individuais, relacionais e contextuais) cuja mobilização se encontra dificultada entre os adolescentes cujo desenvolvimento ficou comprometido pela experiência de maus-tratos. Quando protegidos pelo acolhimento institucional, é nos pares, nos professores e nos funcionários da instituição que estes adolescentes encontram o cuidado, o suporte e o encorajamento de que necessitam, e que tanto pesa sobre o seu bem-estar. Foi, assim, objetivo deste estudo examinar o papel que a qualidade da vinculação aos pares, professores e funcionários da instituição desempenha na promoção da resiliência em adolescentes institucionalizados. Os dados foram recolhidos junto de 45 adolescentes (18 rapazes e 27 raparigas), com idades compreendidas entre os 10 e os 20 anos, em regime de acolhimento institucional prolongado. Para o efeito foram utilizados um breve questionário sociodemográfico, o Child and Youth Resilience Measure – 28 – versão para Jovens (Liebenberg, Ungar & Van de Vijver, 2012; versão portuguesa Ferreira & Nobre-Lima, 2013), o Inventory of Parent and Peer Attachment Revised (Armsden & Greenberg, 1987; versão portuguesa Figueiredo & Machado, 2008) – versão para Pares e Professores – e o Questionário de Ligação aos Professores e Funcionários (Mota & Matos, 2005). Ainda que tenham sido encontradas correlações significativas entre a resiliência e cada uma das variáveis em estudo, a percepção de vinculação aos pares e aos funcionários da instituição sobressaem como as variáveis que melhor explicam a resiliência nestes adolescentes, em particular nos rapazes. Já nas raparigas, a única variável que parece explicar a resiliência é a percepção de vinculação aos funcionários da instituição. A discussão explora estes resultados em termos do seu significado e implicações práticas. / Being resilient implies the ability to positively adapt to contexts of great adversity. This ability depends on a variety of factors (individual, relational and contextual) that are mostly non operative among the adolescents whose development was compromised by maltreatment. When protected by residential care these adolescents rest on peers, teachers and residential caregivers to find the care, support and encouragement they need to improve their sense of wellbeing. Therefore, the aim of this study was to examine how attachment to peers, teachers and residential caregivers can contribute to foster resilience in institutionalized adolescents. Data was collected from a sample of 45 adolescents (18 boys and 27 girls), aged between 10 and 20 years old, under extended placement in an institution. The PI is composed by a brief social-demographic questionnaire, the Child and Youth Resilience Measure – 28 – Youth version (Liebenberg, Ungar & Van de Vijver, 2012, Portuguese version Ferreira & Nobre- Lima, 2013), the Inventory of Parent and Peer Attachment Revised (Armsden & Greenberg, 1987; Portuguese version Figueiredo & Machado, 2008) – Peers and Teacher’s version – and the Questionnaire of the Affective Relationship with Teachers and Employees (Mota & Matos, 2005). Although findings showed significant correlations between resilience and each one of the variables in study, the perception of attachment to peers and residential caregivers stood out as the most correlated variables to resilience among these adolescents, mainly among the boys. Conversely, the only variable that seems to explain resilience among girls is the perception of attachment to residential caregivers. The discussion explores the possible meaning and practical implications of these findings.
URI: http://repositorio.ismt.pt/handle/123456789/570
Aparece nas colecções:Dissertações de Mestrado Psicologia

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Indicadores de resiliência em adolescentes institucionalizad.pdf587.35 kBAdobe PDFThumbnail
Ver/Abrir
Anexos..pdf442.29 kBAdobe PDFThumbnail
Ver/Abrir
IPPA R - Versão para professores.pdf74.03 kBAdobe PDFThumbnail
Ver/Abrir
IPPA-R Pares.pdf80.91 kBAdobe PDFThumbnail
Ver/Abrir
QLPF.pdf315.57 kBAdobe PDFThumbnail
Ver/Abrir


Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.