-
Utilize este identificador para referenciar este registo: http://repositorio.ismt.pt/handle/123456789/680
Título: Bonding e Psicopatologia na Toxicodependência
Autores: Sousa, Maria do Carmo da Costa Rodrigues
Macedo, Esmeralda (Orientadora)
Palavras-chave: Toxicodependência - Substance dependence
Bonding parental - Parental bonding
Psicopatologia - Psychopathology
Data: 2016
Editora: ISMT
Resumo: Introdução: A investigação científica efetuada nos últimos anos no âmbito da problemática da toxicodependência parece confirmar que a qualidade das experiências emocionais vividas na infância e na adolescência com os progenitores é um dos principais fatores de prevenção ou de risco. A perceção de uma ligação (bonding) parental disfuncional, em particular, o padrão que se caracteriza pelo “controlo sem afeto” parece estar associada ao desenvolvimento da toxicodependência e da psicopatologia. Objetivo: Este estudo pretende contribuir para o estudo do bonding parental em toxicodependentes e definir associações entre bonding parental e sintomatologia psicopatológica. Metodologia: Para a avaliação das variáveis em estudo foi utilizado um questionário sociodemográfico, o Parental Bonding Instrument (Parker, Tupling, & Brown, 1979; versão portuguesa de Ramos, Leal e Maroco, 2007) e o Brief Symptom Inventory (Derogatis, 1982; versão portuguesa de Canavarro, 1995). A amostra deste estudo abrangeu 33 sujeitos, 27 homens e 6 mulheres, com idades compreendidas entre os 36 e os 69 anos (M=47.73%, DP=6.87). Resultados: Verificou-se que a perceção do bonding parental difere consoante a composição do agregado familiar na infância e na adolescência. Relativamente à análise da influência do bonding parental na seleção da substância psicoativa de experimentação, encontraram-se duas associações significativas: entre o “Cuidar Contingente Materno” e o consumo de tranquilizantes e entre a “Autonomia Instrumental Paterna” e o consumo de cocaína. Por último, verificaram-se correlações entre o bonding parental e a sintomatologia psicopatológica. Discussão/Conclusão: Observou-se que a perceção dos participantes face às experiências emocionais vividas precocemente com o pai e com a mãe é marcada pelas expressões de afeto, calor emocional e proximidade. Embora, esta conclusão geral não seja congruente com a literatura consultada, é de salientar a perceção de uma elevada “Negação da Autonomia Psicológica Materna” na infância dos participantes oriundos de famílias compostas por um só progenitor. / Introduction: Scientific research performed in recent years within the scope of the substance dependence problem seems to confirm that the quality of emotional experiences lived throughout childhood and adolescence with parents is one of the main factors for either prevention or risk. The perception of a dysfunctional parental bonding, particularly the patterns characterized as “affectionless control”, seems to be associated with the development of substance dependence and psychopathology. Objective: This study intends to contribute to the research on parental bonding in substance-dependent individuals and to define associations between parental bonding and psychopathological symptoms. Methodology: For assessment of the study variables, the socio-demographic survey Parental Bonding Instrument (Parker, Tupling, & Brown, 1979; Portuguese version by Ramos, Leal e Maroco, 2007) was used together with the Brief Symptom Inventory (Derogatis, 1982; Portuguese version by Canavarro, 1995). The study sample included 33 individuals, 27 men and 6 women, aged between 36 and 69 (M = 47.73%, SD = 6.87). Results: The study showed that the perception of parental bonding was different according to the household’s composition during childhood and adolescence. In regards to the analysis on parental bonding influence over the choice of first psychoactive substance, two relevant associations were found: between “Contingent maternal care” and the use of tranquilizers, and “Fatherly Instrumental Autonomy” and the use of cocaine. Lastly, correlations were found between parental bonding and psychopathological symptoms. Debate/Conclusion: It was considered that the participant’s perception concerning emotional experiences lived at an early age with the father and the mother is marked by expressions of affection, emotional warmth and closeness. Although this general conclusion is not in line with the referenced literature, it is important to highlight the perception of an elevated “Nenial of the maternal’s psychological Autonomy” during the childhood of participants from single-parent families.
URI: http://repositorio.ismt.pt/handle/123456789/680
Aparece nas colecções:Dissertações de Mestrado Psicologia

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
DISSERTAÇÃO.pdf802.99 kBAdobe PDFVer/Abrir
ANEXOS.pdf1.44 MBAdobe PDFVer/Abrir


Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.