Utilize este identificador para referenciar este registo: http://repositorio.ismt.pt/jspui/handle/123456789/892
Título: Empreendedorismo no Feminino: um estudo com empresárias da região centro
Autores: Silva, Inês Isabel Fernandes
Monteiro, Rosa (Orientadora)
Palavras-chave: Empreendedorismo - Entrepreneurship
Desemprego - Unemployment
Género - Gender
Igualdade - Equality
Oportunidades - Opportunities
Data: 2013
Editora: ISMT
Resumo: Em Portugal, tendo em conta a elevada taxa de desemprego nos últimos anos, a opção pela via do empreendedorismo tem sido vista como uma forma possível de inserção no mercado de trabalho. Tendo em conta que o desemprego afeta maioritariamente grupos desfavorecidos, como as mulheres e os jovens, existe consequentemente uma tendência para o crescimento do número de negócios criados por mulheres. Neste sentido, o presente estudo pretende analisar o empreendedorismo feminino, analisando fatores como: motivos que estão na base da criação do negócio (necessidade vs. oportunidade), negócios tipicamente associados às mulheres (pequena dimensão em áreas tradicionalmente femininas e maioritariamente no setor dos serviços), situação familiar e sua influência na decisão de criar um negócio, fatores facilitadores, dificuldades sentidas pelas empreendedoras e barreiras ao empreendedorismo feminino. Para a realização da análise dos fatores acima mencionados, foi administrado um questionário a uma amostra de 34 empresárias da zona centro. Mobilizámos nesta pesquisa resultados de estudos que têm proporcionado dados sobre a especificidade do empreendedorismo feminino, embora não concetualizemos estas especificidades como resultado de características femininas, mas sim dos fatores estruturais e do contexto, como refere Ahl (2002). No que respeita às barreiras apresentadas, as que revelaram maior importância estão relacionadas com o acesso ao crédito, a falta de formação, a falta de capital próprio para realizar investimentos e com a sobrecarga de tarefas ligadas à família, o que confirma a ideia de Ahl de que os fatores que mais condicionam negativamente o empreendedorismo feminino são os estruturais e não handicaps das mulheres; a falta de formação em empreendedorismo/gestão, comercial, marketing, é algo que tem sido comumente identificado na literatura como handicap de homens e mulheres, causado pela falta desta formação na escola e nas universidades. Concluiu-se que apesar do empreendedorismo feminino ter vindo a ganhar cada vez mais terreno em Portugal, continuam a existir barreiras, como por exemplo, a articulação entre o negócio e a família, que percecionam distinções entre negócios empreendidos por homens e por mulheres. Desta forma, a maioria das barreiras ao empreendedorismo feminino residem em fatores estruturais, e não na existência de handicaps entre homens e mulheres empreendedores. / In Portugal, considering the high level of unemployment in the last years, the option for the entrepreneurship has been seen as a possible way to get in the labour market. Considering that unemployment affects mostly weaker groups, as women and youth, there is a trend to increase the number of business developed by women. In this regard, the present study pretends to analyze the feminine entrepreneurship, examining factors as: motives to develop a business (necessity vs. opportunity), business classically associated to women (short dimension in traditionally feminine areas as the utilities), family situation and the influence that it brings to take the decision to develop a business, facilitators factors, difficulties experienced by the entrepreneurs and the barriers to the feminine entrepreneurship.In behalf of the mentioned factors above, it was applied a questionnaire to a sample of 34 business women in the central zone of the country. In this research we have mobilized study results that provided data about the specifity of the feminine entrepreneurship, although this specifities are not just about the feminine characteristics, but it is about the structural and context factors, as referred by Ahl(2002). Considering the presented barriers, the most important ones were related to the access to credit, lack of training, lack of equity capital to start the investment and overload with family tasks, which support the idea of Ahl that the factors that affect negatively the feminine entrepreneurship are structural, not women handicaps; the lack of training in areas as entrepreneurship/management, sales, marketing it is something that has been mentioned in literature as men and women handicaps, caused by the lack of training in schools and universities. In this study we concluded that feminine entrepreneurship is widely growing in Portugal, there are still barriers, as the liability between business and family, that are distinguished between business undertaken by men and women. Most of the barriers in the feminine entrepreneurship lies in structural factors rather then the existence of handicaps among men and women entrepreneurs.
URI: http://repositorio.ismt.pt/handle/123456789/892
Aparece nas colecções:Dissertações e Relatórios de Mestrado J-P-E

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Tese Final_Inês Silva GRHCO.pdf612.96 kBAdobe PDFThumbnail
Ver/Abrir


Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.