-
Utilize este identificador para referenciar este registo: http://repositorio.ismt.pt/handle/123456789/725
Título: Atributos de Psicopatia Primária e Secundária, Autocriticismo e Vergonha
Autores: Ribeiro, Ana Raquel Simões
Espirito-Santo, Helena (Orientadora)
Garcia, Inês Queiroz (Coorientadora)
Palavras-chave: Psicopatia primária e secundária - Primary and secondary psychopathy
Autocriticismo - Self-criticism
Vergonha - Shame
Data: 2017
Editora: ISMT
Resumo: Objetivo: Perceber qual a intensidade da psicopatia primária e secundária numa amostra online; saber quais as variáveis sociodemográficas (idade, sexo, estado civil, escolaridade, situação profissional) que têm influência na psicopatia, no autocriticismo e na vergonha; quais as relações existentes entre as variáveis em estudo e verificar se essas potenciais relações são afetadas pelas variáveis sociodemográficas. Método: A amostra foi constituída por 368 indivíduos (65 homens e 303 mulheres), com idades compreendidas entre os 18 e os 72 anos, que responderam à Levenson’s Self Report Psychopathy Scale (LSRPS) - versão portuguesa, à Forms of Self-Criticizing and Reassuring Scale (FSCRS) e à Compass of Shame Scale (CoSS). Resultados: Verificaram-se mais atributos de psicopatia primária do que de psicopatia secundária. Verificou-se que o maior número de atributos de psicopatia primária estavam presentes nos homens, em sujeitos com idades entre os 18 e os 25 anos e nos sujeitos solteiros. No autocriticismo, as mulheres apresentaram mais sentimentos de inadequação perante fracassos ou obstáculos. Os homens tiveram atitudes mais positivas, calorosas e de conforto para com o eu. Quanto à vergonha, nos estilos de coping Ataque ao Self e Fuga, foram as mulheres que apresentaram uma pontuação mais alta, estatisticamente significativa quando comparadas com os homens. Conclusão: Os atributos de psicopatia primária estão relacionados com os atributos de psicopatia secundária, com as formas do Eu Detestado e do Eu Inadequado (FSCRS) e com o Ataque ao Outro (CoSS). Os atributos de psicopatia secundária estão relacionados com todas as formas do autocriticismo e com todos os estilos de coping para lidar com a vergonha. / Purpose: To understand the intensity of the primary and secondary psychopathy attributes in an online sample; To know which sociodemographic variables (age, sex, marital status, education level, professional situation) have an influence on psychopathy, self-criticism, and shame; What relation exists between the variables under study and verify if these potential relationships are affected by the sociodemographic variables. Method: The sample consisted of 368 individuals (65 men and 303 women), aged between 18 and 72 years, all of whom responded to the Levenson’s Self Report Psychopathy Scale (LSRPS) – Portuguese version, to Forms of Self-Criticizing and Reassuring Scale (FSCRS) and the Compass of Shame Scale (CoSS). Results: There are more attributes of primary psychopathy than of secondary psychopathy. It was verified that the greatest number of attributes of primary psychopathy are presented in men, subjects between the ages of 18 and 25 years and single subjects. In self-criticism, women have more feelings of inadequacy in the face of failures or obstacles. Men have more positive, warm, and comfort attitudes toward self. As for shame in the coping styles Attack Self and Withdrawal, are the women who present higher scores, statistically significant, when compared with the men. Conclusion: The attributes of primary psychopathy are related to the attributes of secondary psychopathy, with the forms of Hated Self and Inadequate Self (FSCRS) and Attack Other (CoSS). The attributes of secondary psychopathy are related to all forms of self-criticism and all coping styles to deal with shame.
URI: http://repositorio.ismt.pt/handle/123456789/725
Aparece nas colecções:Dissertações de Mestrado Psicologia

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Dissertação Raquel Ribeiro.pdf450.78 kBAdobe PDFVer/Abrir
Apêndices.pdf2.28 MBAdobe PDFVer/Abrir


Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.