Utilize este identificador para referenciar este registo: http://repositorio.ismt.pt/jspui/handle/123456789/1159
Título: Rede Social de Pessoas com Consumos Aditivos e Dependências
Outros títulos: Social Network of People with Addictive Behaviors and Dependencies
Autores: Caetano, Ana Paula
Guadalupe, Sónia
Palavras-chave: Consumos aditivos e dependências, Exclusão social, Rede social, Serviço social, Suporte social
Data: 28-fev-2017
Editora: Departamento de Investigação & Desenvolvimento
Citação: Caetano, A. P., & Guadalupe, S. (2017). Rede social de pessoas com consumos aditivos e dependências. Revista Portuguesa De Investigação Comportamental E Social, 3(1), 14-26. https://doi.org/10.7342/ismt.rpics.2017.3.1.44
Relatório da Série N.º: 3;
Resumo: Contexto & Objetivos: As redes sociais desempenham um papel central na qualidade de vida da pessoa com comportamentos aditivos, determinantes, tanto na manutenção como na compensação e na reabilitação destes comportamentos. Este estudo tem como objetivo caracterizar as redes sociais de pessoas com consumos aditivos e dependências em situação ou risco de exclusão social. Métodos: Participaram 30 sujeitos consumidores de substâncias psicoativas, com idades compreendidas entre os 24 e os 65 anos (M ± DP = 43,03 ± 10,10), a maioria do sexo masculino (80,0%), não tendo fonte de rendimentos na maior parte (46,7%) ou sendo apoiados por medidas de política social (53,3%). A maioria tem como substância principal de consumo a heroína (63,3%). Avaliámos as dimensões estrutural, funcional e relacional-contextual das suas redes com o Instrumento de Análise da Rede Social Pessoal. Resultados: As redes dos inquiridos são constituídas, em média, por 7 elementos, predominando as relações familiares; são fragmentadas, constituídas essencialmente por membros das redes primárias, ainda que as secundárias representem cerca de ¼ dos membros. A reciprocidade e o nível de apoio social percebido são elevados, assim como o apoio emocional e informativo. Os indivíduos inquiridos, na sua maioria, refere ter membros na rede com CAD na rede social (77,0%), relações que ocupam mais de 20,0% do tamanho das redes. Analisámos comparativamente as redes segundo privação material e de abrigo, não tendo emergido diferenças significativas (p > 0,05), ainda que os perfis de rede sugiram diferentes estratégias de ativação do suporte. Conclusões: O estudo confirma a importância da avaliação da rede social em pessoas com comportamentos aditivos e dependências. A planificação da intervenção social deve integrar as características da rede pertinentes para o suporte na redução do uso abusivo de substâncias e dos riscos associados, assim como para a promoção do bem-estar social e da cidadania.
URI: http://repositorio.ismt.pt/jspui/handle/123456789/1159
ISSN: 2183-4938
Aparece nas colecções:Publicações Científicas em Serviço Social

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
44-Texto Artigo-263-1-10-20170301.pdf421.33 kBAdobe PDFVer/Abrir


Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.