Utilize este identificador para referenciar este registo: http://repositorio.ismt.pt/jspui/handle/123456789/1278
Título: As Emoções à Flor da Pele: estudo de validação da Escala de Reatividade Emocional para a população portuguesa
Autores: Santos, Fabiana Traqueia dos
Cunha, Marina (Orientadora)
Carreiras, Diogo (Orientador)
Palavras-chave: Reatividade emocional - Emotional reactivity
Adultos - Adults
Analise fatorial confirmatória - Confirmatory factor analysis
Propriedades psicométricas - Psychometric properties
Psicopatologia - Psychopathology
Data: 2021
Editora: ISMT
Resumo: Introdução: Pessoas com elevada reatividade emocional tendem a apresentar respostas afetivas intensas e prolongas a uma vasta gama de estímulos, o que está associado a maiores níveis de sintomas psicopatológicos. O objetivo do presente estudo foi traduzir e validar a versão portuguesa da Emotion Reativity Scale (Escala de Reatividade Emocional - ERE), através do estudo das suas propriedades psicométricas, análise fatorial confirmatória, validade convergente e divergente, e teste da sua estabilidade temporal. Metodologia: Os participantes deste estudo foram 402 adultos da comunidade geral, sendo 275 do género feminino e 127 do género masculino, com uma média de idades de 40.01 anos (DP =10.30). O protocolo foi constituído por questionários de autorresposta, respondidos online, e os dados foram analisados no IBM SPSS (versão 23) e no MPLUS (versão 6.2; Muthén & Muthén, 1998–2012). Resultados: Após testados diferentes modelos da ERE, a versão que apresentou melhor ajustamento foi a unidimensional de 7 itens (RMSEA = .08; CFI = .97; TLI = .95; SRMR = 03). Relativamente à validade convergente e divergente, a ERE apresentou correlações positivas com traços de personalidade borderline, depressão, ansiedade e stress, e apresentou correlações negativas com a qualidade de vida. Ao nível da consistência interna, esta versão apresentou um alfa de Cronbach muito bom. A correlação forte obtida entre o primeiro preenchimento da ERE e o segundo, um mês depois, comprovou a estabilidade temporal da medida. Foram encontrados níveis mais elevados de reatividade emocional no género feminino e não houve relação significativa com a idade. Conclusão: A versão portuguesa da ERE pode considerar-se válida e fidedigna para avaliar a reatividade emocional. Apresenta uma extrema relevância tanto para a investigação como para a prática clínica, permitindo de forma precoce detetar a predisposição para experienciar de forma mais intensa as emoções e, por conseguinte sintomas psicopatológicos. / Objectives: People with high emotional reactivity tend to have intense and prolonged affective responses to a wide range of stimuli, which is associated with higher levels of psychopathological symptoms. This study aimed to translate and validate the Portuguese version of the Emotion Reativity Scale (Escala de Reatividade Emocional – ERE), through the study of its psychometric properties, confirmatory factor analysis, convergent and divergent validity, and test of its temporal stability. Methodology: Participants were 402 adults from the general population, 275 women and 127 men, with an average age of 40.01 years (SD = 10.30). The protocol consisted of self-report questionnaires, completed online, and the data were analyzed using IBM SPSS (version 23) and MPLUS (version 6.2; Muthén & Muthén, 1998–2012). Results: After testing the different models of the ERE, the version that presented the best fit was the 7-item version (RMSEA = .08; CFI = .97; TLI = .95; SRMR = .03). Regarding the study of the convergent and divergent validity, the ERE presented positive correlations with borderline personality traits, depression, anxiety, and stress, and presented negative correlations with quality of life. At the level of internal consistency, this version had a very good Cronbach's alpha. The strong correlation obtained between the two moments of completing the ERE, with a one-month interval, proved the temporal stability of the measure. Higher levels of emotional reactivity were found in females and there was no significant relationship with age. Conclusion: The Portuguese version of the ERE can be considered a valid and reliable instrument to assess emotional reactivity. It is extremely relevant both for research and for clinical practice, allowing an early detection of the predisposition to experience emotions more intensely and, therefore, psychopathological symptoms.
URI: http://repositorio.ismt.pt/jspui/handle/123456789/1278
Aparece nas colecções:Dissertações de Mestrado Psicologia

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Dissertação Mestrado Fabiana Santos_8617.pdf
  Restricted Access
Documento principal3.85 MBAdobe PDFVer/Abrir Request a copy


Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.